segunda-feira, 1 de junho de 2009

Minhas Amigas

Em momentos como esse, que estou vivendo hoje, é que a mensagem abaixo cai como uma luva. Tenho dois amigos que estavam no vôo da Air France que sumiu.

Peço a todos os que lerem essa mensagem, que façam uma oração para os que estavam no vôo, e também para seus familiares.

Para minhas amigas, e também para meus amigos.



Quando eu era pequena, acreditava no conceito de uma melhor amiga.






Depois, como mulher, descobri que se você permitir que seu coração se
abra, você encontrará o melhor em muitas amigas.




É preciso uma amiga quando você está com problemas com seu homem.
É preciso outra amiga quando você está com problemas com sua mãe.
Uma outra quando você quer fazer compras, compartilhar, curar, ferir,
brincar ou apenas ser.





Uma amiga dirá 'vamos orar', uma outra 'vamos chorar', outra 'vamos
lutar' outra 'vamos fugir'.
Uma amiga atenderá às suas necessidades espirituais, uma outra à sua
loucura por sapatos, uma outra à sua paixão por filmes, outra estará com
você em seus períodos confusos, outra será a luz e uma outra será o vento sob
suas asas.





Mas onde quer que ela se encaixe em sua vida, independente da ocasião, do
dia ou de quando você precisa, seja com seus tênis e cabelos presos, ou
para impedir que você faça uma loucura... todas essas são suas melhores amigas.






Elas podem ser concentradas em uma única mulher ou em várias...
uma do ginásio, uma do colegial, várias dos anos de faculdade, algumas de
antigos empregos, algumas nas aulas e inglês, algumas que treinam com você, algumas da igreja, outras do grupo de canto coral, em
alguns dias sua mãe, em alguns dias sua vizinha, em outros suas irmãs, e em outros suas filhas.




Assim, podem ter sido 20 minutos ou 20 anos o tempo que essas
mulheres passaram e fizeram a diferença em sua vida.


Obrigada a todas que fazem parte do meu círculo de mulheres
maravilhosas que fizeram e ainda fazem a diferença em minha vida.


Beijos!!!

3 comentários:

Carla disse...

Ana Paula, já comecei a orar pelas pessoas que estavam no voo assim que soube da notícia. Há coisas que, não se sabe bem a razão, tocam-nos tremendamente. Com esse voo foi assim. Outros tantos voos somem dos radares e não me afetavam tão profundamente. Pensei que talvez fosse porque este saía aí do Rio, minha cidade natal, mas, não, não devia ser só isso.

Agora sei, em parte, outra razão pela qual fiquei tão tocada. Acredito que as pessoas vão desenvolvendo ligações invisíveis e, talvez, quem saiba, eu já esteja desenvolvendo uma assim para com você.

Saiba que sua amiga aqui reza para que seus dois amigos e o máximo possível de pessoas que estavam naquele avião estejam bem, vivas.

Carla disse...

Ana, sei que não caberia aqui um comentário desse tipo, mas me era impossível manter o silêncio depois que li o que você escreveu sobre eu não ser uma paulistana típica. hahahahahahaha! Menina, sua alegria é que é contagiante, o seu jeito maluquinho sempre me mata de rir! hahahaha!

Quanto à minha (falsa) paulistanice, sou carioca que "fugiu" para o interior de São Paulo. Moro em uma cidade do interior e se não coloco o nome da cidade lá no blog é só porque não gosto que, pela net, saibam muuuito da minha vida. Essas coisas de "onde mora, com quem anda, o que faz, como, quando, onde, por que" e tal e tal. Melhor colocar lá o estado que, por sorte, tem o mesmo nome de uma cidade e ficar quieta. Assim como há pessoas maravilhosas na net, há uns estrupícios que veem possibilidade de fazer o mal em qualquer mínimo detalhe.

Chris, mãe da Cecília disse...

Quérida, sinta-se abraçada muuuito forte, viu?

Beijos